Arquivo

Bezerra de Menezes disponível em DVD

quinta-feira, abril 16th, 2009 339 views

Baixe este post em PDF

Lançado nos cinema em agosto de 2008, o filme “Bezerra de Menezes: o Diário de um Espírito” está disponível também em DVD, com making of das gravações, comentários dos diretores e ainda um depoimento do ator Lúcio Mauro sobre Bezerra de Menezes. O longa sobre a vida do médico que dá nome ao principal auditório da Comunhão Espírita de Brasília foi visto por quase 500 mil espectadores em todo o país.



Vida de Chico Xavier na tela

segunda-feira, dezembro 15th, 2008 410 views

Baixe este post em PDF

Fonte: O DIA ON LINE

 

Julio Biar

 

Segundo Glauber Filho, o roteiro do próximo filme ficará pronto em junho e as gravações estão marcadas para agosto do próximo ano. O elenco ainda não está definido, mas o diretor adianta: “Pretendemos trabalhar com alguns atores que fizeram o ‘Bezerra’ e outros que não puderam entraram por causa de suas agendas, como a Nicete Bruno”.

 

Sobre a escolha do tema — cartas psicografadas por Chico Xavier — Glauber diz que a Estação da Luz queria fazer um novo filme que tivesse a temática da espiritualidade e da paz, aproveitando o centenário do médium, em 2010. “A história da vida do Chico Xavier já é um projeto da Globo Filmes, por isso decidimos pelas cartas”, revela. De fato, a outra produção cinematográfica baseada na vida de Chico Xavier já está em andamento.

Baseado no best-seller ‘As Vidas de Chico Xavier’, do jornalista Marcel Souto Maior, o longa-metragem será dirigido por Daniel Filho. “Faremos a pré-produção em janeiro, as filmagens estão marcadas para abril. O texto está pronto e o elenco, definido”, declara o diretor, fazendo suspense



‘Bezerra de Menezes’ vai virar série de TV

segunda-feira, dezembro 15th, 2008 373 views

Baixe este post em PDF

Fonte: O DIA ON LINE

 

Julio Biar

 

 

A longevidade do filme ‘Bezerra de Menezes — O Diário de Um Espírito’ , dos diretores Glauber Filho e Joel Pimentel, que estreou dia 29 de agosto, surpreende até o mais fiel seguidor da doutrina espírita divulgada pelo famoso médico e político cearense.

E o sucesso vai dar frutos: a equipe do filme trabalha na adaptação da história para a TV, como minissérie, e em novo longa, a partir de cartas de Chico Xavier.

‘Bezerra’, que estreou com 44 cópias — e chegou às 65, nove semanas depois —, continua em cartaz em 37 salas e já foi visto por mais de 440 mil espectadores. “Nossa expectativa é atingir os 500 mil até janeiro”, empolga-se Luís Eduardo Girão, um dos diretores da ONG Estação da Luz, realizadora do projeto.

Girão segue agora formatando a minissérie. “Procuramos a Globo, que é nossa parceira através da Globo Filmes. Existe demanda por outros tipos de mídia, como a TV”, diz. Protagonista de ‘O Diário de Um Espírito’, Carlos Vereza está cotado para interpretar o médico mais uma vez. “Ele personificou Bezerra de Menezes muito bem, teve uma atuação brilhante”, elogia o produtor.

Caio Blat, que faz uma pequena participação no longa, gostou da novidade. “É sinal de que o tema é muito importante, urgente mesmo. O espiritismo é uma filosofia que conforta as pessoas, cada vez mais interessadas em que se fale abertamente sobre o tema. É um senso de oportunidade da Globo fazer a minissérie”, comemora o ator, escalado para viver um hindu na novela ‘Caminho das Índias’, de Glória Perez. “Em nossa preparação, estudamos inclusive a teoria de reencarnação, que faz parte da tradição de várias religiões”, diz.

O filme sobre Chico Xavier, segunda produção da Estação da Luz, será lançado em 2010, ano do centenário do médium mineiro. “São quatro histórias de mães que perderam seus filhos: em acidente de automóvel, aborto, suicídio e câncer. Tudo deságua numa mensagem de esperança de Chico Xavier”, adianta Luís.

As histórias serão dirigidas por Glauber Filho, Joel Pimentel, Halder Gomes e Charles Northrup. “Decidimos reconstruir as histórias a partir das cartas psicografadas por Chico. Isso dá liberdade para o roteiro, o que não foi possível em ‘Bezerra’, que é praticamente um documentário”, argumenta Glauber.

 



Filme sobre o médico Bezerra de Menezes é fenômeno de público

terça-feira, setembro 16th, 2008 271 views

Baixe este post em PDF

Fonte: www.new.divirta-se.uai.com.br

Por Sérgio Rodrigo Reis

O ator Carlos Vereza sofreu um acidente, há 18 anos, que mudou de uma vez por todas a sua vida. Escalado para atuar no programa Delegacia de mulheres, da Rede Globo, ao protagonizar uma cena de ação, grande quantidade de pólvora explodiu próximo à sua cabeça. O ouvido interno foi atingido. “Fiquei em depressão profunda, quase perdi a audição e não consegui fazer mais nada daí em diante”, lembra. Ao ver o desespero do sobrinho, uma tia, muito católica, o sugeriu procurar ajuda no Centro Espírita São Luiz, onde eram feitas materializações e curas.“Fui até lá, não estava nem cético, nem crente, mas desesperado. A depressão é a morte em vida. Com sete meses, graças à ajuda, me colocaram em condições de voltar a trabalhar.” A experiência foi crucial para o desempenho como protagonista de Bezerra de Menezes: o diário de um espírito, filme que, em três semanas de exibição, tornou-se fenômeno de público: já foi assistido por cerca de 150 mil espectadores.

Dirigida pelos cineastas cearenses Glauber Filho e Joe Pimentel, a produção conta a saga de Adolfo Bezerra de Menezes Cavalcanti, ou dr. Bezerra de Menezes, médico, militar, escritor, político, que se notabilizou em outra área, como expoente da Doutrina Espírita do Brasil. O filme apresenta a trajetória daquele que ficou conhecido como o “Kardec brasileiro” e sua luta em prol dos desvalidos. De onde vem o sucesso? Vereza atribui ao contraponto que faz à cultura da violência. “Tudo hoje é veloz, é tiro, é carro batendo. Vivemos numa engrenagem da violência. Nossa história é suave, calma. São 70 minutos em função da vida de um grande homem e as pessoas estão carentes de personagens que simbolizem ética, num momento em que o país é foco de corrupção”, compara. A boa repercussão surpreendeu até o protagonista.

 

 

 Mesmo próximo da temática espiritualista, Carlos Vereza não conhecida tão profundamente a obra de Bezerra de Menezes. “Sabia que era alguém generoso, um homem de luz.” A imersão no universo do personagem o trouxe ainda mais convicções. “O espiritismo é uma doutrina sensata, une ciência, filosofia, religião. O que mais me ensinou nesses anos todos foi ter tolerância, porque compaixão era algo que minha mãe ensinou-me desde criança”, conta o artista. O convite para levar as convicções para a telona foi por acaso. Quando atuava na novela Sinhá Moça, da Globo, ele deixou a barba crescer e as semelhanças com Bezerra de Menezes ficaram videntes. O produtor do filme, Luiz Eduardo Girão, fez o convite e, desde então, trabalham no projeto, realizado durante dois meses, no Ceará e no Recife, e que reuniu, além de Vereza, artistas como Lúcio Mauro, Caio Blat e Paulo Goulart Filho.CINCO DÉCADAS DE TV

O sucesso de Bezerra de Menezes chega num momento especial para Carlos Vereza que, neste ano, completa 50 anos de televisão. “Comecei como figurante da TV Tupi, quando tudo era ao vivo. Fiz de tudo um pouco na carreira artística: televisão, teatro e cinema. É uma vida de que tenho orgulho.” Conhecido pelos papéis fortes e pelo timbre peculiar que empresta à locuções de reconstituições de cenas de crimes, Carlos Vereza se prepara para outro projeto nessa área. Com previsão de estréia no dia 19, o programa Força tarefa, que será exibido depois de Casos e acasos, às quintas-feiras, na Rede Globo, pretende revelar ao público o outro lado das ações policiais. “Vamos mostrar crimes que foram solucionados. A idéia é enaltecer, sobretudo, a ação dos bombeiros”, adianta.

 

 

 Realizada em cenário virtual, a atração trará Carlos Vereza não somente como locutor, mas como apresentador. Os protagonistas das histórias reais serão os próprios bombeiros e policiais que atuaram nas ações. O ator lamenta que outras redes de televisão não arrisquem em novos formatos como a Globo. “Não sabemos de tipo de repercussão teremos, porque é algo diferente o que propomos. Estamos criando o formato.” A situação da televisão atual é algo que o preocupa. “As temáticas estão ficando repetitivas”, conclui.DOUTRINA PROIBIDA

Orçado em R$ 2 milhões, Bezerra de Menezes foi realizado após ampla pesquisa histórica feita por Luciano Klein (biógrafo de Bezerra de Menezes) e, também, pela roteirista Andréa Bardawill. A pesquisa ajudou na reconstituição da época em que viveu o médico, do nascimento no Ceará, em 1831, até sua morte, em 1900, no Rio de Janeiro. Depois de estudar medicina, Bezerra (foto) conheceu a Doutrina Espírita quando teve acesso à tradução em língua portuguesa de O livro dos espíritos. Ele estudou as obras de Allan Kardec, aos 55 anos, e decidiu abraçar o espiritismo. “Numa época em que a doutrina era proibida, foi um escândalo”, conta Carlos Vereza. O filme se apóia em passagens como essa. “As pessoas saem emocionadas. Trazemos mensagens de paz e ética”, afirma.







“O Aborto dos outros” atualiza debate de tema polêmico

quarta-feira, setembro 10th, 2008 332 views

Baixe este post em PDF

Fonte: Reuters

 

 

O filme, dirigido pela estreante Carla Gallo, acompanha a história de várias mulheres que praticaram o aborto, legal ou ilegalmente. São pessoas humildes, incluindo crianças, atendidas pela rede pública de saúde, que enfrentam muitas dificuldades e sofreram muitas pressões durante todo o caminho que percorreram.

Entre as entrevistadas estão, por exemplo, uma menina de 13 anos que aguarda ao lado da mãe, num quarto de hospital, a interrupção da gravidez concedida judicialmente. Mas também há aquelas que não são amparadas legalmente e recorrem a abortos clandestinos.

Mas “O Aborto dos Outros” não é apenas sobre isso. No fundo, esse é um documentário sobre a liberdade de se fazer opções e a conseqüência das escolhas. Fotografado pelo veterano Aloysio Raulino e montado pela competente Idê Lacreta, o filme traça um retrato delicado não só de questões pertinentes ao universo feminino, mas da sociedade como um todo.

De acordo com a Organização Mundial de Saúde, entre 70 mil e 80 mil mulheres morrem todos os anos por causa de abortos praticados sem segurança –sendo que 95 por cento das mortes acontecem em países em desenvolvimento, como o Brasil.

A legislação brasileira, que permite a interrupção de gravidez em alguns casos, é da década de 1940.

Em maio passado, a Comissão de Seguridade Social e Família da Câmara rejeitou por unanimidade um projeto de 1991 e que descriminalizava o aborto. Pouco tempo depois, a Comissão de Constituição, Justiça e de Cidadania (CCJ) da Câmara dos Deputados também votou contra a proposta.

Exibido em diversos festivais, “O Aborto dos Outros” recebeu menção honrosa no É Tudo Verdade deste ano.

(Por Alysson Oliveira, do Cineweb)

SÃO PAULO (Reuters) – O aborto continua um tema polêmico no país e sua discussão, que já chegou ao Supremo Tribunal Federal no caso dos fetos anencéfalos, ganha mais um capítulo com a estréia, nessa sexta-feira, em São Paulo, do documentário “O Aborto dos Outros”.


Todos os direitos reservados. Republicação ou redistribuição do conteúdo produzido pela Reuters é expressamente proibido sem autorização prévia por escrito. A Reuters não se responsabiliza por nenhum erro de conteúdo ou atraso de sua distribuição, ou qualquer outra ação decorrente desta publicação.  

 



Êxito de Bezerra de Menezes vai na contramão

terça-feira, setembro 9th, 2008 393 views

Baixe este post em PDF

Fonte: www.estadao.com.br

 

Filme amplia circuito no momento que a produção nacional encolhe no mercado

 

 

 

Glauber Filho anda rindo à toa. O professor do curso de comunicação na Universidade Federal do Ceará é um dos co-diretores (com Joe Pimentel) de Bezerra de Menezes. Sem muita mídia, o filme estreou na semana passada para seguir uma tendência oposta à da produção brasileira recente. Pesquisas apontam para uma diminuição da participação nacional no próprio mercado. De 22% em 2003, os filmes brasileiros hoje ocupam um espaço bem mais reduzido, 6,09%.O circuito encolhe, os números caem. Na contramão, Bezerra de Menezes bateu no primeiro fim de semana filmes que tiveram mais destaque na imprensa, como A Encarnação do Demônio, de José Mojica Marins, e Os Desafinados, de Walter Lima Jr. Com 1.200 espectadores por cópia, fez 50 mil espectadores de sexta a domingo. Manteve alta média durante a semana e a conseqüência é que as 44 salas que exibiam Bezerra viram 52, incluindo, a partir de hoje, o Shopping Eldorado, em São Paulo.

O filme nasceu de uma encomenda feita aos diretores pela Associação Estação da Luz, do Ceará. A idéia inicial era fazer um documentário para distribuição em DVD, com custo aproximado de R$ 100 mil. O projeto cresceu, principalmente depois de ser testado junto aos participantes de um congresso de espiritismo na Colômbia. Glauber Filho não se define como espírita, mas não contesta o dogma da doutrina de Allan Kardec e Bezerra de Menezes. Ele acha que não fez um filme somente para esse segmento do público, embora o tivesse como alvo. O excesso de música sentimentaliza o relato, que foi acrescido de elementos de ficção e virou docudrama. Carlos Vereza, que faz o papel, é espírita. A maneira como o ator diz seu texto, pesquisado nos escritos do ?dr. dos pobres?, causa estranhamento. É como se Vereza dissesse suas falas de maneira truncada. “Quem já freqüentou uma sessão espírita e viu um médium encarnar o dr. Bezerra sabe que ele falava assim”, diz o diretor. L.C.M.

 

Serviço
Bezerra de Menezes – O Diário de Um Espírito (Brasil/2008, 75 min.) – Drama. Dir. Glauber Filho e Joel Pimentel. Cotação: Regular