Daniel Filho diz que filme sobre Chico trata de pensamento

sexta-feira, março 26th, 2010 159 views

Baixe este post em PDF

Fonte: www.ultimosegundo.ig.com.br/cultura

Pode ser o centenário de Chico Xavier, é praticamente um ano espírita no cinema e televisão, mas a cinebiografia dirigida por Daniel Filho passa longe da religião. Pelo menos foi isso que o cineasta defendeu nesta quarta-feira (24) durante coletiva de imprensa em Paulínia, para divulgar o filme. “Não é uma mensagem de espiritismo, mas de pensamento”, disse. “É sobre quanto Chico se doou e quanto aprendeu se doando. São ensinamentos para a vida, não religiosos.”

Didático e popular, “Chico Xavier” dá início à febre espírita no Brasil

Divulgação
 
O diretor Daniel Filho orienta Nelson Xavier e Angelo Antonio, o médium em 2 fases
 
Mesmo assim, nem todo mundo parece pensar dessa forma. Prova de que os conflitos com a igreja que o médium teve ao longo de sua trajetória não acabaram, a produção foi impedida de filmar dentro de um templo no interior de Minas Gerais, onde ele nasceu. “As portas da igreja estão fechadas para Chico Xavier”, teria dito um sacerdote à equipe, segundo lembrou o diretor. A solução foi construir o cenário em estúdio.

À frente do projeto desde o começo, em 2004, Daniel a princípio seria só o produtor. A insistência dos distribuidores – Downtown Filmes e Sony Pictures – para que ele assumisse a direção acabou dando resultado, em boa parte pela amizade de Daniel com o veterano produtor de TV Augusto César Vannucci, espírita devoto. “Desde que tenho ‘autonomia de voo’, há 25 anos, escolho o que faço. Essa foi a primeira vez em que fui escolhido.” E aí começa uma história interessante.

O jornalista Marcel Souto Maior, autor da biografia “As Vidas de Chico Xavier”, que deu origem ao filme, conta que na primeira vez que encontrou o médium em Uberaba (MG), na sede da entidade mantida por ele, ainda na década de 1990, viveu algo que batizou de o “fenômeno das lágrimas inexplicáveis”: cético, ateu, nunca acreditou em qualquer religião, mas ao se ver a dois metros de Chico Xavier, percebeu que lágrimas escorriam fortes por seu rosto, mesmo que ele não estivesse sentindo qualquer emoção.

Divulgação
 
Daniel Filho: “Sou um homem de fé”
 
Decepcionado, passou anos repetindo o caso, apesar de ninguém acreditar. Pois a mesma coisa aconteceu com Daniel Filho quando ele contou à sua mulher que ia dirigir o filme – uma enxurrada sem qualquer motivo brotou de seus olhos. “Quando as lágrimas inexplicáveis escorreram pelo rosto do diretor cético, um ciclo se fechou”, disse.

Isso porque Daniel também é ateu (apesar de ter frequentado por 11 anos um terreiro de umbanda). Nas entrevistas de divulgação do filme, é constante a pergunta se a experiência com a temática espírita mudou a opinião do diretor. Ele garante que não. “Hoje, todo mundo é obrigado a fazer declarações sobre sua opção sexual, mas nunca imaginei que seria cobrado por minha opção religiosa”, afirmou.

“Sou ateu, mas sou um homem de fé. Já rezei na igreja, fui umbandista. Mas se acontecer alguma coisa, como todo brasileiro posso me voltar para a religião, não sei se não iria até para uma tribo da selva amazônica tomar chá de raiz”, defendeu, se referindo à polêmica recente do Santo Daime. Além disso, Daniel lembrou que a forte educação católica de Chico, que o acompanhou a vida inteira, poderia ser outra. “Se ele tivesse tido uma opção, talvez fosse budista, pelos ideais de bondade, por exemplo.”

Com orçamento de R$ 12 milhões, “Chico Xavier” estreia no dia 02 de abril, centenário do médium, Sexta-feira Santa, aniversário de Souto Maior. A data é, de acordo com a equipe, uma coincidência, que com certeza não deve prejudicar o desempenho do filme, previsto para entrar em cartaz em até 400 salas do País. O executivo Rodrigo Saturnino, da Sony, se recusa a fazer estimativas. “O nosso papel é dar condições para que o filme atinja seu potencial. Há uma grande campanha de lançamento”, garantiu.

Do total arrecadado nas bilheterias, 10% será revertido para o Centro Espírita Casa da Prece, em Uberaba. Indagado sobre o fato de obter lucros com a imagem de alguém que doava todos os direitos de seus livros para instituições de caridade, o distribuidor Bruno Wainer, da Downtown, fez questão de ressaltar que se trata também de negócio. “O cinema é uma indústria, com investidores. São assuntos que não devem ser misturados. [A doação] é um gesto de extrema generosidade. Nossa função é levar essa mensagem do Chico de bondade, amor, para o maior número de brasileiros.”



O enigma da vida além da morte

terça-feira, março 16th, 2010 160 views

Baixe este post em PDF

Pré-estreia de Chico Xavier leva elenco a Pedro Leopoldo, onde o médium nasceu e adorava ir ao Cine Marajá

Carlos Herculano Lopes  – Correio Braziliense

Pedro Leopoldo (MG) – Depois de uma concorrida pré-estreia na sexta-feira, em Uberaba (MG), sábado à noite, no auditório completamente lotado da Fazenda Modelo Lanagro, foi a vez de o povo de Pedro Leopoldo, na Grande Belo Horizontre, ver e aplaudir o filme Chico Xavier, de Daniel Filho, que conta a vida e a obra do filho mais ilustre da cidade, onde nasceu em 1910 para tornar-se um dos homens mais amados do Brasil. Baseado no livro As vidas de Chico Xavier, do jornalista Marcel Souto Maior, o longa, com duração de 125 minutos , tem no elenco um time de primeira, como Nelson Xavier, que interpreta o médium na sua fase adulta; Ângelo Antônio, que encarna Chico quando jovem; e ainda Tony Ramos, Christiane Torloni, Giulia Gam e Letícia Sabatella, num total de 135 atores.
Só de locações foram 90, a maioria em Tiradentes (MG), na produção de R$ 7 milhões da Globo Filmes e da Sony Pictures, com trilha sonora de Egberto Gismonti. O lançamento nacional será em 2 de abril, data do centenário de nascimento do médium. Em 23 de março, vai ser mostrado em Paulínia (SP), em sessão para mil pessoas.
Antes do início da sessão, Daniel Filho, Ângelo Antônio, Nelson Xavier e Marcel Souto Maior receberam os títulos de cidadãos honorários de Pedro Leopoldo, entregues pelo prefeito, Marcelo Gonçalves. Daniel Filho confessou, após chamar os presentes de “meus conterrâneos”, que a convivência durante meses com a vida de Chico Xavier mudou o seu jeito de ser e de ver o mundo. “Ele foi um homem que não só pensou, como muitos fazem, mas ele agiu, amou o ser humano e ajudou os seus semelhantes”, disse.
Já Nelson Xavier, 67 anos, cuja semelhança com Chico no filme está impressionante, admitiu ter sentido alegria grande, quando foi convidado para integrar o elenco. “Espero que tenha correspondido. E se fui muito bem recebido em Uberaba, confesso para vocês que Pedro Leopoldo tocou profundamente o meu coração e estou me sentindo muito bem aqui.” Ângelo Antônio, por sua vez, contou que, durante o tempo em que ficou pesquisando sobre a vida de Chico, também foi se tornando uma pessoa mais humilde. “Alguma coisa mudou dentro de mim após fazer esse filme”, reconheceu o ator, mineiro de Curvelo.
Para Marcel Souto Maior, que acaba de lançar Chico Xavier, a história do filme de Daniel Filho, Editora Leya, o médium foi o personagem da sua infância, passada em Araxá. “O fato de ele falar com os mortos me intrigava e, ao escrever As vidas de Chico Xavier, o que eu queria mesmo era tentar decifrar esse enigma dos meus tempos de menino”, revelou o escritor.
Entre os presentes, com um sorriso aberto, uma pessoa chamava a atenção, e todos queriam cumprimentá-la: era Cidália Xavier, irmã de Chico. Ao ser perguntada sobre quantos anos tinha, respondeu, com bom humor, que eram tantos que até ela mesma havia esquecido. “Tenho uma lembrança eterna do Chico. Foi ele quem nos criou. Ele foi nosso pai, nossa mãe e o que fez por nossa família nunca iremos esquecer. Foi uma pessoa especial”, emocionou-se Cidália, na companhia de um neto e de amigos.

Para Célia Diniz, diretora do Centro Espírita Luiz Gonzaga, criado por Chico Xavier na década de 1930, em Pedro Leopoldo, o filme será um divisor de águas na historiografia do médium. “Todos os holofotes do Brasil se viraram para a nossa cidade, redescobrindo que ele nasceu aqui e viveu conosco mais da metade da vida até ir para Uberaba”, orgulha-se Célia, que conviveu com Chico desde a infância. Ruth Peracio contou ter sido na fazenda do seu pai, José Hermínio Peracio, em Curvelo, que Chico descobriu a mediunidade, na década de 1920, após ter tido contato com o médium Pascoal Camanducci. “A nossa amizade, durante toda a vida, foi muito grande, e tenho mais de 140 cartas dele. Nunca vi Chico de mau humor”, afirmou.

Casa da Prece
Poucos minutos após começar a exibição do filme, no qual a vida de Chico Xavier é contada desde a infância, um silêncio intenso, quebrado apenas por alguma tosse ou um mexer nas cadeiras, foi descendo sobre o auditório completamente lotado da Fazenda Lanagro. Muitos da plateia, como Cidália Xavier, Ruth Perácio e Célia Diniz, além das amigas Dorinha Cardoso e Auxiliadora Bahia, haviam convivido com Chico Xavier e cada uma dessas pessoas, a seu modo, guardavam lembranças do médium, que deixou cerca de 400 livros psicografados, com milhões de exemplares vendidos. Para elas, talvez, o filme de Daniel Filho não tenha novidades.
Mas para os jovens, que pouco sabem sobre o médium, o longa-metragem é informativo: começa com as primeiras manifestações mediúnicas de Chico e mostra sua ida para Uberaba, onde ele abre a Casa da Prece e continua a exercer a caridade. A psicóloga Rafaela Dias comenta: “Gostei muito do que vi. Infelizmente, não conheci Chico Xavier, mas acho que o filme foi muito fiel ao retratar a sua vida”.
Para Mércia Duarte, terapeuta ocupacional, o longa foi redentor. “Chico foi uma pessoa muito próxima de todos nós em Pedro Leopoldo, mas o conhecíamos pouco. Só depois que ele se mudou para Uberaba foi que passou a ser valorizado aqui em Pedro Leopoldo”, garante. Já para seu pai, Edson Jorge, de 81 anos, o médium era mesmo especial. “Chico era muito meu amigo. Sou dono de um cinema aqui em Pedro Leopoldo, o Cine Marajá, que será reaberto em breve. Ele ia muito lá, pois adorava cinema. E o mais incrível de tudo isso foi que, tantos anos depois, sua própria vida acabaria sendo transformada em um filme.”

O texto está em:

http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia182/2010/03/15/diversaoearte,i=179679/PRE+ESTREIA+DE+CHICO+XAVIER+LEVA+ELENCO+A+PEDRO+LEOPOLDO+ONDE+O+MEDIUM+NASCEU+E+ADORAVA+IR+AO+CINE+MARAJA.shtml



‘Manika’ no cine debate da Comunhão

quarta-feira, outubro 21st, 2009 174 views

Baixe este post em PDF

Escrito por Tatiana Montezuma

Vamos assistir a um filme, na Comunhão, e depois debater o assunto? Sim, isso é possível, mas, por enquanto, só podem participar do Cine Debate os alunos do Estudo Sistematizado da Doutrina Espírita (Esde). O próximo será na sexta-feira, dia 23 de outubro, às 19h30m, com a exibição do filme “Manika”. Quem pretende integrar a atividade, que é gratuita, deverá se inscrever na recepção da Comunhão, especificamente no Atendimento Integrado, em frente à livraria, de segunda a sexta-feira, a partir das 13h. No Atendimento Integrado, após inscrever-se, a pessoa receberá um convite para o Cine Debate, que comporta, no máximo, 60 pessoas.

Segundo a dirigente da Divisão de Apoio Doutrinário e Pedagógico, ligada à Diretoria de Estudos Doutrinários (DED), Maria Luiza Bezerra Lopes, após assistirem a um filme comercial, com fundo espírita ou espiritualista, a platéia debate a temática apresentada. “Isso possibilita a todos maior conhecimento da doutrina. É explorada a lei da ação e reação e, também, são esclarecidas dúvidas sobre diversas questões do conteúdo dado em sala de aula”, afirmou Maria Luiza, salientando que “a análise dos filmes complementa os estudos com grande aproveitamento”.



‘Passageiros’ no Cine Debate da Comunhão

quinta-feira, agosto 27th, 2009 190 views

Baixe este post em PDF

O filme “Passageiros” estará em discussão no Cine Debate promovido pela Comunhão Espírita de Brasília na próxima sexta-feira, 28. A exibição do filme, que mostra a história de sobreviventes de um acidente aéreo, será seguida de um debate sobre as questões levantadas pelo longa e que envolvem o espiritismo. As inscrições devem ser feitas previamente na Comunhão porque o evento é limitado a 60 pessoas. A sessão começa às 19h30.



Glória Pires no elenco de As Vidas de Chico Xavier

segunda-feira, abril 27th, 2009 188 views

Baixe este post em PDF
A atriz atuará no longa que vai narrar a vida de Chico Xavier

A atriz atuará no longa que vai narrar a vida de Chico Xavier

A atriz Glória Pires foi convidada pelo diretor Daniel Filho para complementar o elenco do filme sobre a vida de Chico Xavier. Além dela, de acordo com informações divulgadas pela imprensa, dois outros atores foram confirmados para viver o médium em fases distintas – Nelson Xavier (Narradores de Javé) e Ângelo Antônio (Dois Filhos de Francisco).

Glória Pires que atualmente participa das rodagens do longa ;,”sans-serif”;”>Lula, o Filho do Brasil , interpretando a mãe do presidente brasileiro, foi escolhida pelo diretor Daniel Filho para o papel de madrasta de Chico Xavier.

Chico Xavier faleceu em 2002 aos 92 anos, após ter construído uma grande reputação por divulgar o espiritismo no Brasil, seja por meio dos atendimentos que fazia em Minas Gerais, seja pelas 450 obras psicografadas – traduzidas para 15 idiomas.
O roteiro da película está sob a responsabilidade de Jorge Moura. Os produtores pretendem transformar o filme em minissérie, empreitada que conta com Globo Filmes; Sony Pictures e Downtown. A estréia está prevista para abril de 2010, quando Chico Xavier completaria 100 anos.



Bezerra de Menezes disponível em DVD

quinta-feira, abril 16th, 2009 174 views

Baixe este post em PDF

Lançado nos cinema em agosto de 2008, o filme “Bezerra de Menezes: o Diário de um Espírito” está disponível também em DVD, com making of das gravações, comentários dos diretores e ainda um depoimento do ator Lúcio Mauro sobre Bezerra de Menezes. O longa sobre a vida do médico que dá nome ao principal auditório da Comunhão Espírita de Brasília foi visto por quase 500 mil espectadores em todo o país.