“Quando o jovem está engajado, consegue ser intuído para coisas boas”

segunda-feira, agosto 19th, 2019 78 views

Baixe este post em PDF

No último sábado (18/8), foi realizado mais um Fala Mocidade na Comunhão Espírita de Brasília. Com periodicidade mensal, o tema deste mês foi Jovens espíritas e onde habitam. O programa foi conduzido por Lucas e Mariza, trabalhadores da Mocidade Espírita, e teve como entrevistada Suellen Róbias, coordenadora da Mocidade do Centro Espírita André Luiz.

Também participaram da conversa os jovens Cecília e Felipe, que fizeram perguntas, contaram a importância da Mocidade em suas vidas e como foi o primeiro contato com o a Doutrina Espírita.

Na abertura do evento, os jovens abordaram quando e como iniciaram seus trabalhos na Comunhão e os impactos positivos para suas vidas. “Cheguei na Comunhão em 2014 e logo entrei na Mocidade. Foi como se começasse uma faculdade e, aos poucos, fui quebrando o gelo. Hoje, posso dizer que conheço meus melhores amigos e que me considero uma jovem espírita”, comentou Mariza.

Suellen respondeu à primeira pergunta sobre como é crescer jovem espírita com a explicação de que, na adolescência, as descobertas são diferentes da época da infância e os sentimentos são mais potencializados. “Quando o jovem tem contato com o Espiritismo, passa a ter conhecimento sobre as consequências de seus atos e começa a compreender os acontecimentos da vida”, contou.

Mudança na vida dos jovens

Em relação à mudança na vida dos jovens ao participar da Mocidade, a entrevistada contou como chegou até a Doutrina Espírita, os grandes amigos que fez e como o Espiritismo foi importante para  seu desenvolvimento. “Quando o jovem está engajado, consegue ser intuído para coisas boas. Ter feito a Mocidade foi essencial para minha vida. Tenho amigos dessa época até hoje”.

Agora como coordenadora da Mocidade do Centro Espírita André Luiz, Suellen se diz realizada por poder conviver com jovens e, de alguma forma, auxiliá-los. Citou situações em que eles conversam diretamente com ela para pedir conselhos e tirar dúvidas, e do desafio inicial de conduzir turmas com público de 18 a 21 anos, geralmente mais questionadores.

É essencial sair do seu canto e expandir. Às vezes, uma pequena fala de um jovem toca a vida de um outro. Cada encontro, seja na Mocidade ou em congressos espíritas, propicia trocas positivas e tem suas potencialidades para os jovens”, explicou Róbias.

Os jovens de hoje

Instagram, Facebook, Twitter, informações em tempo real. É preciso adaptar as formas de trabalho da Mocidade aos jovens de hoje. Segundo Suellen, “precisamos do olhar sensível de que os jovens estão usando mais tecnologia e buscando de forma mais intensa o que são e o que querem. É imprescindível identificar o melhor de cada jovem e o que tem interesse”.

Os jovens apresentaram questões sobre como a Mocidade pode ajudar a trazer mais qualidade para os pensamentos, como se comportar em eventos festivos e como o programa Fala Mocidade tem o papel de divulgar a Doutrina Espírita e, principalmente, atingir outros jovens.

O jovem precisa socializar, dançar e se divertir. É importante para o seu crescimento sair. O diferencial do jovem espírita é que ele tem a responsabilidade com as informações que compartilha”, concluiu Suellen.

O programa foi encerrado ao som dos jovens Matheus e Carol com a canção que diz: “Sim, quis tudo ser, quis mudar o mundo. Muito busquei e não pude ver tudo. Não, não desvendei tudo o que queria. E aprendi que, vivendo agora, vou aproximar do essencial, descobrindo a grandeza da vida…”

Conheça a Mocidade da Comunhão

Voltada para jovens de 18 a 21 anos, a Mocidade da Comunhão Espírita de Brasília se reúne aos sábados, das 17 às 19h, e compreende aulas teóricas e atividades práticas. Saiba mais aqui (link http://portal.comunhaoespirita.org.br/ded/mocidade/). 

Por Nicole Guimarães.

Fotos: Vanessa Vieira



Jovens espíritas e onde habitam é o tema do Fala Mocidade (17)

segunda-feira, agosto 12th, 2019 98 views

Baixe este post em PDF

Um programa feito por jovens mas que agrada a todas as idades. Assim é o Fala Mocidade, que nesse dia 17 de agosto (sábado), às 19 horas, se apresenta no auditório da Comunhão Espírita.

O programa recebe Suellen Róbias como convidada para falar sobre o tema Jovens espíritas e onde habitam. A convidada responde a perguntas da plateia.

O Fala Mocidade é transmitido ao vivo pela Rádio e TV Comunhão.

 



Germana Carsten fala sobre voluntariado jovem no primeiro Fala Mocidade do ano

domingo, janeiro 27th, 2019 251 views

Baixe este post em PDF

No dia 19 de janeiro, a turma de jovens da Comunhão Espírita de Brasília promoveu o primeiro Fala Mocidade do ano de 2019. Com o tema O jovem na Comunhão: O que a casa tem a oferecer, o trabalhador da Mocidade Lucas Rangel conversou com a diretora de Atendimento Espiritual da Casa, Germana Carsten, sobre os trabalhos voluntários realizados na Comunhão.

Também participaram do debate os jovens Mateus Paniago, Mariza, Mateus Marques e Leonardo Campos, que compartilharam suas trajetórias e experiências na Casa e falaram sobre os trabalhos voluntários que realizam.

A diretora Germana Carsten contou que chegou na Comunhão há 37 anos em um momento de sofrimento por não compreender o mundo invisível que aparecia em sua vida. “Cheguei buscando entender a mediunidade ostensiva e encontrei todas as minhas respostas. Senti que cheguei na minha casa”, declarou.

Ela explicou que o lugar do médium é na Casa Espírita. “Se você está onde estuda o que você traz como faculdade, o caminho é muito mais leve, o fardo é muito mais leve”, disse.

Germana falou sobre o trabalho que realiza com os quase 200 grupos mediúnicos da Casa e mais de 300 dirigentes na Diretoria de Atendimento Espiritual, na promoção de reuniões mensais e cursos para o desenvolvimento do intercâmbio mediúnico. Falou também sobre a promoção da Doutrina por meio da arte espírita, com o Grupo Teatro Vida, composto por um grupo de dança, de audiovisual, de música e teatro.

Impacto social

Sobre o impacto social dos trabalhos realizados na Casa, Germana lembrou que a Comunhão Espirita de Brasília é conhecida no mundo inteiro e considerada um dos maiores centros espíritas do mundo. Explicou o alcance do projeto de Ensino a Distância e das mensagens recebidas de diversos países.

“O impacto social dos trabalhos na Comunhão é inimaginável. Nós podemos ter um impacto com aquele que vem à Comunhão e assiste uma palestra, e tem uma renovação de crença, como temos o impacto naquele que está no seu quarto, proibido de falar sobre o espiritismo, a família não aceita, ele sente que é um sensitivo, que tem algo diferente, algumas pessoas o acham esquisito por ver e ouvir coisas. Ele entra no Youtube e vê uma palestra ou uma entrevista como essa e se identifica. Então ele vem aqui e descobre muito mais a respeito de si próprio do que ele imaginava”, ressaltou a diretora.

Troca

O jovem Leonardo Campos falou sobre as atividades que realiza na Comunhão. Ele contou que trabalha na recepção e lembrou que a Casa recebe, em média, 30 mil pessoas por mês, cada uma por motivos distintos: algumas vindo pela primeira vez, outras porque tiveram um dia ruim, etc.

“É tão interessante quando você vê a pessoa entrando e depois saindo: ela sai diferente. Às vezes, você só dá um boa noite e aquilo já ajuda a pessoa absurdamente. Às vezes ela passou mal o dia, por vários problemas, pois cada um tem um desafio, e não existe desafio maior ou menor, e quando só dou um boa noite, aquela pessoa já fica diferente. E quando ela dá o boa noite, a gente também fica muito feliz. Às vezes chego meio ‘bolado’ e a partir do quinto boa noite já estou ‘zerado’. Essa troca é muito bacana!”, declarou Leonardo.

Já o trabalhador da Mocidade Mateus Paniago contou sua experiência na promoção da Doutrina Espírita e falou que a gratidão que sente e expressa ao realizar esse trabalho voluntário faz com que as pessoas que convivem com ele se interessem e se juntem a ele nesse movimento. “Gentileza gera gentileza, trabalho gera mais trabalho, e é saudável”, disse.

Germana convidou os jovens a refletirem com uma mensagem sobre o propósito de estarem na Casa. “Viemos para a Comunhão para nos espiritualizar, o movimento interior de espiritualização tem etapas de desenvolvimento. Para evoluir, você não dá saltos. E eu registro na minha experiência: o início de qualquer atividade na Casa Espírita deve ser a ação social”.

A diretora disse ainda que a sociedade só vai mudar quando cada um tiver o bem dentro de si. “O ato revolucionário do jovem espirita é produzir o bem em outras almas para que cada vez mais a gente multiplique o bem na humanidade. Essa é a mensagem do Cristo”, sublinhou.

Trabalhos voluntários

Por fim, Germana apresentou alguns dos trabalhos voluntários realizados pela Diretoria de Promoção Social como a “Campanha do Kilo”, para angariar alimentos e roupas para as famílias da periferia de Brasília; a arrumação de cestas; a visita às famílias da periferia; a Vila Cristã, que realiza vários trabalhos junto às comunidades carentes como ministrar aulas, brincar com as crianças, fazer palestras; trabalhos na casa Nosso Lar, mantida pela Comunhão há mais de 40 anos; visitas à Papuda, aos hospitais, orfanatos, asilos e outras instituições.

Clique aqui e saiba mais sobre trabalhos voluntários na Comunhão.

Texto: Fernanda Quintanilha

Fotos: Vanessa

Assista ao Fala Mocidade:



Sábado (19) tem Fala Mocidade com Germana Carsten: O jovem na Comunhão

quarta-feira, janeiro 16th, 2019 193 views

Baixe este post em PDF

O programa Fala Mocidade, da Mocidade Espírita da Comunhão, apresenta sua primeira edição neste sábado, dia 19 de janeiro, às 19h, no salão Bezerra de Menezes.

Dirigido aos jovens, porém aberto ao público em geral, o programa traz a trabalhadora espírita Germana Carsten para um bate papo descontraído com a plateia, que participa com perguntas e respostas.

O tema da noite é O jovem na Comunhão: o que a casa tem a oferecer.

O evento será transmitido ao vivo pela TV Comunhão e pelo canal da Comunhão no YouTube.



“O suicídio jamais é solução porque a vida não cessa”, diz Neuza Zapponi no Fala Mocidade

domingo, setembro 16th, 2018 701 views

Baixe este post em PDF

Com 800 mil suicídios por ano no mundo, já a segunda causa de morte atrás da violência, e número não menos estarrecedor no Brasil, onde já é a quarta maior causa da morte de jovens entre 15 e 29 anos, o programa Fala Mocidade entrevistou, neste sábado (15), a psicóloga e atendente fraterna Neuza Zapponi. O evento fez parte da campanha Setembro Amarelo, que busca prevenir o suicídio.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), entre 2000 e 2016 houve aumento de 73% nos casos entre jovens e idosos no mundo. Para abordar o assunto,  a apresentadora Carolina Braga, da Mocidade Espírita de Brasília, reuniu perguntas dos jovens da Comunhão dirigidas à psicóloga.

Abordada sobre o porquê do aumento do número de suicídios apesar da evolução material no planeta, Neuza Zapponi explicou que, ao ultrapassar o nível das necessidades básicas, boa parte da humanidade volta-se agora para questões de pertencimento, amor e reconhecimento. “Os jovens hoje não suportam frustrações, pois foram criados com super proteção e conforto. Isso, aliado à visão materialista do mundo, baseada em posses e aparências, tem levado à depressão”, disse a psicóloga.

E o que fazer com quem já tem conhecimento da vida após a morte e ainda assim tira a própria vida? A essa pergunta Neuza Zapponi afirmou: “O suicídio jamais é solução porque a vida não cessa. Realizar a jornada a que nos propusemos é a única opção”.

Os jovens questionaram como auxiliar alguém que fala em se suicidar. A palestrante respondeu que a primeira regra para ajudar quem está em profundo sofrimento é deixar que fale. “Ouvir sem julgamentos, com atenção e amorosidade, alivia a pessoa”. Em segundo lugar, oferecer amizade, calor humano, hoje escasso em tempos de redes sociais. Por fim, convidar a pessoa para participar de grupos de forma a sentir-se valorizada. “São medidas baseadas no Evangelho”, garantiu.

Sobre sentir-se frustrado porque tentou ajudar uma pessoa e mesmo assim ela cometeu suicídio, Neuza afirmou ser importante reconhecer o livre arbítrio de cada um. “Nosso trabalho é nos prestarmos a estar junto. Não sabemos se alguma semente está sendo lançada e vai geminar”, sublinhou.

Por Ana Critina Sampaio Alves

Assista à palestra completa no link abaixo:



Fala Mocidade entrevista Neuza Zapponi sobre suicídio neste sábado (15)

quarta-feira, setembro 12th, 2018 602 views

Baixe este post em PDF

O programa Fala Mocidade, da Mocidade Espírita da Comunhão, entrevista neste sábado (15) a psicóloga e atendente fraterna Neuza Zapponi.

O tema da noite é Suicídio. Carolina Braga conduz as perguntas do público, que é composto especialmente de jovens, mas todos estão convidados a participar.

O Fala Mocidade é realizado às 19h, no Salão Bezerra de Menezes. O programa é transmitido ao vivo pelo canal da Comunhão no YouTube.