Abordagem multidimensional da ansiedade e depressão foi destaque do Comunhão Inspira

segunda-feira, fevereiro 25th, 2019 162 views

Baixe este post em PDF

“Não vos inquieteis, pois, com o dia de amanhã, pois o amanhã trará suas próprias preocupações” (Mateus 6:34). A orientação do mestre Jesus foi o ponto de convergência da abordagem multidimensional sobre ansiedade e depressão trazida para o bate-papo do Comunhão Inspira deste mês. O encontro ocorreu sábado (24), às 19h, no salão Bezerra de Menezes da Comunhão Espírita de Brasília.

Desta vez, o convidado especial para explorar o tema e responder às perguntas da plateia e dos internautas foi o psicólogo e trabalhador espírita Enio Francisco da Silva.

Ele e Ricardo Honório, como mediador, trouxeram informações e esclarecimentos do ponto de vista científico e espiritual sobre essas duas doenças que afetam o humor, as funções orgânicas e o comportamento.

Em sua explanação inicial, Enio Francisco explicou que as causas da ansiedade e da depressão devem ser tratadas a partir de uma abordagem multidimensional, considerando tanto os fatores fisiológicos (quando há um desequilíbrio das substâncias neuroquímicas que atuam no cérebro) quanto os aspectos comportamentais e espirituais.

“Todas as dimensões devem ser valorizadas, pois não existe um único fator responsável pelo desequilíbrio. Estamos aqui diante de uma difícil fronteira entre o que é fisiológico e o que é espiritual”, explicou Enio.

Registros pretéritos  

Ele lembrou que, à luz da Doutrina Espírita, a alma projeta em seu corpo físico o histórico espiritual da alma encarnada em suas existências sucessivas.

“Por isso, é difícil dizer que não exista um componente espiritual nessas patologias”, explicou, citando alguns tipos de depressão e distúrbios mais comuns: distimia, depressão psicótica, depressão bipolar, transtorno obsessivo compulsivo (TOC), transtorno de ansiedade generalizada, síndrome do pânico, entre outras.

Ricardo Honório reforçou que todo problema do ser encarnado tem como pano de fundo o aspecto espiritual, já que a marca das nossas ações está gravada no perispírito. Assim, a desorganização perispiritual reflete no corpo físico, causando o desiquilíbrio.

Forças sexuais da alma  

Ao responder às perguntas feitas pelo público, Enio recorreu ao psiquiatra e pesquisador Jorge Andrea dos Santos (1916-2017), autor do livro “Forças Sexuais da Alma”, para explicar que as fontes de energia internas que carregamos, em função dos registros pretéritos, nos influenciam inconscientemente, causando muitas vezes sofrimento e desequilíbrio. “Uma das grandes causas do sofrimento é como lidamos com nossa sexualidade”, revelou.

 (Assista à entrevista  em que o psiquiatra Jorge Andrea fala sobre a importância da terapêutica espírita no tratamento da depressão)

 Depressão: mal do século

Sobre a ansiedade, Enio explicou que, em níveis normais, ela é mesmo necessária para as realizações da vida. Em níveis descompensados, porém, torna-se patológica.  E, se não tratada, pode levar a outros desequilíbrios, como a depressão, considerada o “mal do século” pela Organização Mundial de Saúde.

Em suas respostas à plateia e a internautas que acompanhavam a transmissão ao vivo pela tv web da Comunhão, Enio chamou a atenção para o perigo de restringir as causas da depressão somente ao aspecto espiritual, colocando a culpa nos “obsessores”.

“Tem que ter cuidado para não associar o desequilíbrio somente às questões espirituais, o que poderia até prejudicar o tratamento”, alertou.  “A doutrina espírita faz uma análise pluridimensional, envolvendo todos os aspectos do ser humano”, reforçou Ricardo Honório.

Matando a dor  

Ao responder sobre o suicídio cometido por pessoas que sofrem de depressão, Enio ele lembrou que “o indivíduo quer matar a dor” e não a vida propriamente dita.

Ele comentou que o sofrimento intenso, causado pelo desequilíbrio das emoções, é uma porta aberta para a dependência química. Por isso, é importante que a família observe o comportamento dos filhos ainda na infância e na adolescência.

“Muitas vezes os sintomas de ansiedade são confundidos com as características da personalidade da criança”, prejudicando o diagnóstico e o tratamento.

Como a ansiedade e a depressão acontecem no nível mental, é importante educar os nossos pensamentos, pois eles geram emoções que, por sua vez, estabelecem um padrão de comportamento saudável ou doentio.

Relevância da terapêutica espírita

A terapêutica espírita, associada ao tratamento médico e ao acompanhamento psicoterápico, tem se mostrado grande aliada no tratamento das doenças emocionais.

Enio e Ricarod Honório lembraram que a reforma íntima, a partir do autoconhecimento e da atitude altruísta voltada para a benevolência, a indulgência e o perdão (conforme questão 886 do Livro dos Espíritos), são ferramentas poderosíssimas para a retomada do equilíbrio do corpo e da alma.

Além da meditação e do yoga, os passes espíritas, a água fluidificada e a prece são recursos valiosos complementares ao tratamento das doenças emocionais.

Uma médica na plateia  

O encontro se destacou pela leveza da abordagem, deixando a plateia muito à vontade, apesar da densidade do tema. Essa característica do Comunhão Inspira chamou a atenção da médica do Hospital de Base de Brasília, Gabrielle Beltrão, 25 anos.

“Apesar das questões serem de grande profundidade, o tema foi tratado com muita leveza”, opinou.

Recém-formada, Gabrielle disse concordar com tudo o que foi exposto no bate-papo. Na sua rotina de trabalho, ela costuma atender pacientes com sintomas de ansiedade e crises de pânico, que são encaminhados para a área de psiquiatria do hospital.

E para conter a própria ansiedade, a jovem médica recorre “à atividade física, à caridade e à prece”.

Sobre a atitude perante a vida para alcançar o equilíbrio físico, mental, emocional e espiritual, ela disse concordar com os expositores.

Foco no momento presente 

Segundo Enio e Ricardo Honório, para retomar o equilíbrio perdido deve-se buscar orientação médica,  espiritual e psicoterapêutica adequadas e assumir uma atitude mais tranquila perante a vida, voltando-se para o momento presente, o  “aqui e agora”.

Do ponto de vista espiritual, devemos todos seguir a orientação de Jesus mencionada no início e no final do Comunhão Inspira: “Não vos inquieteis, pois, pelo dia de amanhã, porque o dia de amanhã cuidará de si mesmo. Basta a cada dia o seu mal”.

Sobre o expositor

Autor do livro “Falando a real: caminhos para vencer as drogas”, Enio Francisco da Silva é psicólogo clínico formado pela Pontifícia Universidade Católica (PUC) de Goiás. É psicoterapeuta especialista em Psicologia Transpessoal (pelo Centro Latino Americano de Saúde Integral) e em Psicodrama (pela Sociedade Goiana de Psicodrama.

Conferencista, oferece cursos, palestras e seminários no Brasil e no exterior. Enio mora em Goiânia e participa dos seminários sobre dependência química organizados anualmente pela Comunhão Espírita de Brasília.

Reporgatem Arlinda  Carvalho. Fotos Anna Morelli.
Assista à íntegra do Seminário com Enio Francisco da Silva:
E assistaà íntegra do Comunhão Inspira com o mesmo palestrante;
https://www.youtube.com/watch?v=ADX1jYFhbOM



Comunhão Inspira tira dúvidas sobre o papel dos mentores espirituais em nossas vidas  

segunda-feira, janeiro 28th, 2019 269 views

Baixe este post em PDF

Existem mesmo anjos da guarda? O que eles querem de nós? Eles interferem no nosso livre-arbítrio? Nos livram das doenças, do sofrimento e até mesmo da morte? Nos atendem quando os invocamos? Estão todo o tempo ao nosso lado? Nos abandonam quando não ouvimos seus conselhos?

Essas e outras questões foram levantadas durante o primeiro Comunhão Inspira do ano, realizado no último sábado (24), às 19h, no salão Bezerra de Menezes da Comunhão Espírita de Brasília.

 O tema “O papel dos mentores espirituais em nossas vidas” foi abordado pelo palestrante e trabalhador espírita Jefferson Bellomo, com mediação de Ricardo Honório e respostas a perguntas vindas do auditório e dos internautas que acompanhavam ao vivo o programa na TV web da Comunhão.

Intermediários de Deus  

Sim. Os anjos da guarda existem e são responsáveis por nos orientar nesta encarnação, atuando como interlocutores entre nós e o Criador. “Deus age no mundo através de outras pessoas. É como se fôssemos uma antena de rádio. Devemos sintonizar na frequência divina. Mas apesar de as ondas de Deus permearem tudo, não é toda antena que tem a potência necessária para captar essas vibrações”, explicou Jefferson, acrescentando que os anjos da guarda se comunicam conosco em uma “frequência intermediária”.

São espíritos mais evoluídos que nós e se reportam a outros espíritos da plêiade, mais próximos de Deus, até chegar a nós, que também podemos levar para outras pessoas a mensagem divina. E assim forma-se uma cadeia de solidariedade que contribui para o progresso individual e coletivo.

Ninguém está sozinho

A presença do anjo da guarda é um presente de Deus para nós e uma prova do seu amor e de sua misericórdia, pois o Pai não nos larga soltos nesta vida, sem amparo, para o enfrentamento das provas. “Ninguém está sozinho. Ninguém reencarna para carregar a cruz da vida sozinho. Os espíritos protetores querem o nosso bem, o nosso progresso. São almas que têm laços conosco de muitos séculos e nos ajudam, contanto que nós queiramos ser ajudados”, frisou Jefferson.

 Nossos mentores, no entanto, não interferem em nosso livre-arbítrio; nunca se intrometem em nossas decisões.  “Eles nos inspiram, nos orientam; são como técnicos de futebol que nos ensinam a estratégia, mas não podem jogar no nosso lugar”, comparou.

Respeito ao livre-arbítrio

Sobre esse ponto, Ricardo Honório – que também é orador e trabalhador espírita –, lembrou que muitas pessoas questionam onde estão os anjos da guarda quando acontecem as catástrofes, e advertiu que muitas pessoas confundem o papel do mentor espiritual em nossas vidas. “Ele não está aqui como se fosse um guarda-costas para nos livrar de todos os acontecimentos. E por uma razão muito simples: o anjo da guarda não derroga a Lei de Causa e Efeito”.

Jefferson alertou que cabe a nós aceitar ou não as sugestões dos nossos mentores espirituais. “Quando optamos por não os seguir, estamos assumindo as consequências de nossa decisão”.

Na plateia, alguém quis saber se, após várias tentativas de ajudas frustradas, o anjo da guarda poderia se afastar do tutelado.  Jefferson explicou que, quando estamos resistentes e impermeáveis à influência dos anjos guardiões, eles respeitam nossa decisão e se afastam.  Mas retornam quando mudamos de atitude.

Prece e sintonia  

“Quando os invocamos com a prece sentida e o desejo honesto de obter uma resposta e uma luz para os nossos problemas, com certeza eles aparecem”, respondeu. Segundo ele, a gratidão também é uma forma de entrar em sintonia com os nossos mentores espirituais. “O agradecimento nos deixa muito mais próximos das pessoas que nos amam do que a simples condição de pedintes”.

Jefferson explicou que o pensamento elevado e a prece são as melhores formas de entrar em sintonia com o mentor espiritual. “A oração é um telefonema para Deus”, comparou.

 Nesse ponto, Ricardo Honório afirmou que “quando oramos emitimos no universo matéria mental”, pois o “o pensamento tem cor, forma e densidade”. Daí a importância de disciplinar a mente.  “A melhor forma de evitar pensamentos ruins é ocupar a mente com pensamentos positivos”, sugeriu Jefferson.

Afinidade

Os anjos da guarda têm laços eternos conosco, por questões de afinidade, e querem contribuir com o nosso progresso espiritual, mas não estão do nosso lado ininterruptamente, 24 horas por dia, de forma a invadir a nossa privacidade. “Eles estão conosco nos nossos momentos de mais necessidade; nos acompanham de outras vidas e permanecerão por outras tantas”.

Segundo Jefferson, nossa relação com o anjo da guarda na atual encarnação “é apenas uma fotografia de um álbum muito grande”.

Além dos indivíduos, as coletividades também têm seus mentores espirituais: as famílias, as nações, o Planeta, todos têm um responsável pela evolução do coletivo. E quanto maior e mais complexa for a atividade, maior será o  grau de aprimoramento moral desses protetores espirituais.

 Conclusões     

Do início ao fim, o Comunhão Inspira deixou claro que os protetores espirituais exercem um papel importante em nossas vidas e estão aqui para nos auxiliar, mas não interferem no nosso livre-arbítrio, nem impedem nosso sofrimento — que é consequência da Lei de Causa e Efeito e ferramenta para nosso aprendizado.

O termo “anjos da guarda” é o mais conhecido pela maioria das pessoas, mas é importante lembrar que são espíritos como nós, num estágio mais avançado de evolução; não têm asas, como retratados na tradição católica.

Os mentores espirituais nos socorrem quando os invocamos e se afastam quando recusamos os seus conselhos. A oração sentida e honesta é a melhor maneira de entrar em sintonia com eles e construir uma relação de intimidade cujos laços são eternos.   O assunto é tratado por Allan Kardec no Livro dos Espíritos, questões 489 a 521.

Por Arlinda Carvalho

Assista à íntegra aqui:



Comunhão Inspira fala sobre Alteridade: a terapia da felicidade no dia 29 (sábado)

quarta-feira, dezembro 26th, 2018 320 views

Baixe este post em PDF

O última Comunhão Inspira de 2018  será realizado no sábado, dia 29 de dezembr0, às 19h, no salão Bezerra de Menezes da Comunhão.

O psicólogo e trabalhador espírita Pedro Paulo vai abordar o tema Alteridade – A terapia para felicidade.

O Comunhão Inspira recebe perguntas diretamente da plateia. Mas caso você não possa comparecer, o evento será transmitido ao vivo pelo canal da Comunhão no YouTube.

 



Comunhão Inspira deste sábado (25) entrevista Guilherme Velho, autor de Psicografia: Casos Investigados

quinta-feira, agosto 23rd, 2018 401 views

Baixe este post em PDF

O programa Comunhão Inspira, que mensalmente traz um convidado para ser entrevistado por Wagner Tadeu, recebe neste sábado, dia 25 de agosto, o escritor Guilherme Velho, autor do livro Psicografia: Casos Investigados.

Guilherme é empresário no Recife e notabilizou-se pela pesquisa de casos paranormais, vida após a morte e comunicabilidade dos espíritos. Já fez conferências sobre o tema em vários continentes: América, Ásia e Europa.

O Comunhão Inspira especial faz parte da programação da MACES, a Mostra de Arte e Cultura da Comunhão Espírita, que tem início nesta sexta, dia 24, e segue até o domingo, dia 26, com extensa programação de palestras, oficinas, artesanato, pintura mediúnica, barracas de gastronomia e almoço, e o encontro fraterno das famílias que frequentam a Casa.

O programa tem início às 19h, e será transmitido ao vivo pelo canal da Comunhão no YouTube.



“Temos tudo que precisamos”

domingo, julho 29th, 2018 317 views

Baixe este post em PDF

“A vida sempre ensina” foi o tema do programa Comunhão Inspira deste sábado, 28 de julho, com o entrevistado Ricardo Honório. Wagner Tadeu conduziu o bate papo, mediando perguntas e respostas do público presente no salão Bezerra de Meneses.

Ricardo iniciou contando a história de um moço, considerado um bobo, morador de uma pequena cidade. As pessoas, constantemente, lhes ofereciam duas moedas, uma com menos e outra com mais valor. Ele sempre escolhia aquela de valor mais baixo. Um dia lhe perguntaram: Por que você não escolhe a maior? Ele respondeu: Porque no dia em que eu recebê-la acaba a brincadeira. E eu, recebendo a menor, vou ter moedas todos os dias.

Moral da história, explica o entrevistado: “Muitas vezes achamos que somos inteligentes e a vida é que é boba, mas estamos todos aqui para aprender”, reforçou.

Da plateia veio a seguinte pergunta: Quais instrumentos nós temos para nos tornar melhor?E a resposta de Ricardo veio numa frase de Chico Xavier: “Temos tudo que precisamos”. Nesta linha de raciocínio, o palestrante comentou situações do cotidiano entre as quais enfatizou: “Só não tem sucesso quem supervaloriza o sucesso. Quem  só valoriza o trabalho se obtiver altas remunerações, ao invés de trabalhar porque gosta do que faz”. Para o entrevistado, o sucesso pode estar em coisas simples, como ter uma família harmoniosa e  viver em paz.

Para produzir o sucesso, é necessário ter autoconhecimento. E, para atingi-lo, é preciso obter informações. Estas, por sua vez, nos levarão aos ensinamentos por meio da religião, acrescida da ciência e da filosofia. “É o encontro conosco”, simplifica Ricardo, citando a frase bíblica “Conhecereis a tua verdade e ela vos libertará”.

Em seu livro, que tem o mesmo título do programa – “A vida sempre ensina” -, o autor leva o leitor a refletir sobre estes aspectos movidos pela própria consciência, individualmente. Segundo afirma, na maioria das vezes, o processo evolutivo é lento. “Cada caso é um caso, embora a vida sempre ensine!, enfatiza.

Na conclusão, em meio a muitas perguntas, Ricardo alerta para uma reflexão: “Nem sempre temos o que queremos, mas, com certeza, temos tudo que precisamos, porque há um planejamento espiritual antes de reencarnamos. E a espiritualidade trabalha para nós, sob o comando de Deus”, relembrou.

Por Diva Ferreira.



“A vida sempre ensina!” é o tema do Comunhão Inspira de sábado (28)

quinta-feira, julho 26th, 2018 272 views

Baixe este post em PDF

No próximo sábado, dia 28 de julho, a Comunhão Espírita realiza mais uma edição do Comunhão Inspira.

O tema, “A vida sempre ensina!”, vai falar sobre o bem e o mal, mediunidade, diferenças vibratórias, milagres, nossa caminhada evolutiva e outros tantos temas relacionados aos desafios de vida.

O evento será transmitido ao vivo pela Rádio e TV Comunhão, e pelo canal da Comunhão no YouTube.