Leia mais notícias...

Geral

Prevenção do suicídio: derrubando mitos para salvar vidas

09/09 | Editado por: Ana Cristina Sampaio Alves
Este post já recebeu 147 views
Baixe este post em PDF

A cada 40 segundos, uma pessoa se suicida no mundo. Os dados são da Organização Mundial de Saúde. A estatística alarmante e os desafios que envolvem o tema foram debatidos no último sábado (7/9), às 10h, na Comunhão Espírita Brasília, durante a mesa-redonda Suicídio nas suas diversas dimensões. O evento fez parte da Mostra de Arte e Cultura Espírita (MACES) que teve início na sexta-feira (6/9), abordando os desafios da depressão.

A boa notícia foi dada pela vice-presidente da Comunhão Espírita de Brasília, Maria Luiza Bezerra. “A partir de outubro iremos oferecer um atendimento fraterno voltado à prevenção do suicídio”, adiantou Malu. “Estamos realizando o treinamento dos atendentes fraternos para, em seguida, iniciar o projeto, que será coordenado por um psicólogo”, comemorou a dirigente.

O psiquiatra Pedro Leopoldo mediou o debate

O tema da mesa-redonda coincide com o Setembro Amarelo, mês de prevenção do suicídio no Brasil. Participaram do debate a psiquiatra Maria Dilma Alves Teodoro, coordenadora de Saúde Mental, Álcool e outras Drogas do Ministério da Saúde, o psiquiatra Pedro Leopoldo de Araújo Ortiz, o psicólogo   Pedro Paulo Zau e o palestrante Saulo Gouveia,  do Projeto Espiritizar.

Assim como a depressão, o suicídio é um tema a ser abordado em suas múltiplas dimensões: fisiológica, psicológica, social, familiar e espiritual. Como mediador, o médico Pedro Leopoldo elencou alguns mitos que dificultam a prevenção do suicídio e que foram sendo esclarecidos pelos palestrantes ao longo do debate.  Confira:

– O suicídio é um ato individual, em função do livre-arbítrio, que só afeta a própria pessoa – Na realidade, “o suicídio envolve vários fatores e mexe com a família inteira”, desmistifica dra. Dilma Alves.

– Quem ameaça tirar a própria vida só quer chamar a atenção – Esse deve ser mais um motivo para acolher a pessoa (e não minimizar o problema), que se sente desamparada e sem esperança. “Chamar atenção é uma forma de pedir ajuda”, alertou a médica.

–  Não devemos falar sobre suicídio para não aumentar o risco – Pelo contrário, falar sobre o assunto, ouvir a pessoa em sofrimento são importantes para sensibilizá-la a buscar ajuda.  “Devemos conversar sobre o assunto e acolher o irmão que sofre. Às vezes a escuta é tudo o que ele precisa”, orientou o psicólogo Pedro Paulo.

– Apenas pessoas com transtornos mentais têm pensamentos suicidas – As pessoas que cometem suicídio não são “malucas”. O aumento da depressão (que não é loucura) aumenta o risco do suicídio. “Os casos de suicídio têm crescido na faixa entre 15 e 29 anos e acima dos 65 anos, em função de vários fatores”, explicou a psiquiatra.

–  Quem pensa em se suicidar está disposto a morrer – Outro mitoNo fundo, o que a pessoa quer, na verdade, é se livrar do problema, e não da vida.

Acolhimento amoroso

Essas e outras afirmações, segundo os palestrantes, devem ser desmistificadas e substituídas pelo conhecimento adequado e pelo acolhimento amoroso. “Vamos dar a mão, fazer um convite amoroso ao nosso irmão”, orientou Saulo Gouveia.

É importante também a conscientização sobre as consequências negativas do suicídio. O assunto é abordado na obra Memórias de um Suicida, do espírito Camilo Castelo Branco, psicografada pela médium Yvonne do Amaral Pereira.

Em todos os casos, a ajuda para prevenção do suicídio começa com o apoio à pessoa em desespero, ouvindo-a e encaminhando-a para os serviços especializados.

Um deles é o telefone 188, do CVV (Centro de Valorização da Vida). A ligação é gratuita e pode ser feita a partir de qualquer linha telefônica (fixa ou celular). O serviço funciona 24 horas por dia, todos os dias da semana.

Convite do  Mestre 

Segundo os palestrantes, buscar o autoconhecimento, cultivar a autoaceitação e o autoamor são atitudes fundamentais para conquistar o equilíbrio e evitar o adoecimento.  E aos aflitos, a mensagem consoladora de Jesus:

Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração, e encontrareis descanso para a vossa alma. Porque o meu jugo é suave, e o meu fardo é leve. (Mateus, 11: 28-30)

Texto:  Arlinda  Carvalho

Fotos: Ana Morelli

Leia mais notícias...

Você deve logar para postar um comentário.