Leia mais notícias...

Eventos

Para curar as doenças do corpo é preciso curar a alma

28/10 | Editado por: Ana Cristina Sampaio Alves
Este post já recebeu 151 views
Baixe este post em PDF

A Associação Médico-Espírita do Distrito Federal promoveu no último sábado, 27, o seminário Somatização das Emoções. A médica oncologista Katia Marabuco, presidente da AME do Piauí, falou sobre os problemas da alma  e sua relação direta com os transtornos mentais, com a ansiedade generalizada, depressão e outras doenças do corpo, como o câncer.

A presidente da AME do DF, Fabíola Lima, acredita que as pessoas estão começando a despertar para esse tema, diante do sofrimento que vêm passando, exatamente por não conhecerem as suas emoções e por não perceberem que elas influenciam a forma como o organismo físico e espiritual funciona. “A temática trazida para a casa espírita, dentro do paradigma médico-espírita, é importante para a pessoa entender que existe toda uma conexão e que hoje a ciência, com todo o seu avanço, tem trazido cada vez mais conhecimento, mostrando que nós somos aquilo que pensamos e, a partir daí, temos que procurar harmonizar os nossos sentimentos, os nossos pensamentos, para que possamos realmente ter uma saúde mais efetiva”, ressaltou Fabíola.

Já para a palestrante Katia Marabucco, falar sobre saúde mental é de extrema importância para a sociedade atual, que viven tempos difíceis, com a alma e o corpo adoecidos. “O limite entre a sanidade e a insanidade é muito sutil em face das mudanças da vida moderna e dos primórdios de maturidade espiritual que estamos alcançando. Faz-se necessária uma discussão ampla, educação e esclarecimento para que as pessoas conheçam as suas próprias dores, procurem ajuda, bem como os caminhos do tratamento para uma vida saudável e feliz, que é o grande objetivo de cada um de nós”, ressaltou.

A especialista explicou que 20% da população mundial sofre transtornos de somatização de emoções. Ela apresentou o perfil destes, chamados de somatizadores: maioria mulheres, com média de idade de 42,6 anos; 40% sofrem de depressão; 20 % apresentam transtorno do pânico e ansiedade. Disse, ainda, que 60% das consultas médicas desses pacientes não têm nenhuma causa orgânica, sendo as principais reclamações dores no peito, fadiga, tontura,  dor de cabeça, dor nas costas, falta de ar, insônia e dor abdominal.

Segundo Katia, todas as doenças, com raras exceções, têm fundo espiritual. Ela também relatou que, em diagnósticos de câncer, por exemplo, sempre se encontram mágoas, ressentimentos e perdas que não foram trabalhadas nos pacientes. “Se não descobrirmos as dores da alma, a medicina não avançará, pois se não curar a alma a doença sempre vai voltar”, alertou a oncologista.

A médica explicou que o autoconhecimento é vital para sabermos que somos responsáveis pela nossa saúde e para desenvolvermos uma conduta saudável para o futuro. Segundo ela, do mesmo jeito que escolhemos o alimento para o corpo físico, temos que escolher o alimento para o corpo espiritual. O que pensamos, sentimos, falamos e ouvimos tem o poder de fazer o bem ou o mal para nossa saúde. “Falamos muito sobre estresse e como as emoções influenciam na nossa saúde, mas precisamos saber como fazer para nos equilibrar. Da mesma forma que temos o estresse, podemos fazer o nosso próprio bem-estar”, disse ela.

Para administrar o estresse, controlar as emoções e não se tornar refém delas, Katia explicou que quando se tem um sentimento de tristeza, por exemplo, é preciso encará-lo. Segundo ela, por trás de toda emoção existe uma mensagem do inconsciente e, por isso, é muito importante ter o hábito de silenciar, orar e conversar consigo. E para se manter saudável, cultivar a calma e a paz, a especialista deu algumas dicas, tais como a prática de ioga, preces, natação, meditação e relaxamento, que liberam endorfina, nosso“analgésico interno” e substância responsável pelo bem-estar.

Katia Marabucco autografou na Livraria da Comunhão.

“Ninguém conhece mais sobre nós do que nós mesmos. É muito importante esse conhecimento. A espiritualidade é vital. Não se pode deixar pra depois. Em todas as idades a vida espiritual do ser precisa desabrochar”, finalizou Katia Marabuco.

Por Fernanda Pinheiro. Fotos de Vanessa Vieira.

Assista à íntegra do seminário:

 

 

Leia mais notícias...

Você deve logar para postar um comentário.