Leia mais notícias...

Eventos

FEB e Comunhão fazem mesa redonda nesta sexta (25) sobre transição planetária

24/05 | Editado por: Ana Cristina Sampaio Alves
Este post já recebeu 453 views
Baixe este post em PDF

Será que estamos preparados? Público vai participar com perguntas

A Federação Espírita Brasileira (FEB), com o apoio da Comunhão Espírita de Brasília, realiza no dia 25 de maio (sexta-feira), na sede da Comunhão, a mesa-redonda sobre o tema Transição Planetária. Participam do encontro o vice-presidente da FEB Geraldo Campetti, o presidente da Comunhão Espírita Adilson Mariz e os expositores Arismar Léon e Mayse Braga. Os participantes abordarão aspectos sobre a transição planetária e vão responder perguntas do público.

De acordo com Adilson Mariz,  o encontro será mais uma oportunidade de conversa sobre um tema que está sendo muito demandado na lide espírita  e, consequentemente, na sociedade. “Naturalmente as pessoas ficam curiosas sobre o que seja transição planetária, pensando sempre nas grandes transformações envolvendo o globo terrestre, quando, na verdade, a maior mudança se dará no universo interior de cada um“, diz o presidente da Comunhão.

Para Geraldo Campetti, transição planetária significa a travessia de uma ponte que nos coloca diante do convite e da convocação para a análise de nossos valores e definição de rumos. Segundo o vice-presidente da FEB, o bem é o destino final de todos, porém, a decisão de tomá-lo como diretriz de nossa existência desde agora depende de nós. “A decisão é individual e intransferível, assim como a responsabilidade advinda de nossas escolhas. Estar preparado para esse instante crucial é o grande desafio que enfrentamos para a  superação de nós mesmos, na erradicação de vícios que nos sobram e na conquista de virtudes que ainda nos faltam”, sublinha.

A pergunta mais importante – será  que estamos preparados? – dá a tônica da mesa redonda.

Agende-se: 25 de maio, sexta-feira, às 19h, na Comunhão Espírita de Brasília (604 Sul). Informações: (61) 2101-6161 ou 3048-1801.

Por Ana Cristina Sampaio Alves

Leia mais notícias...

Você deve logar para postar um comentário.