Notícias sobre: ‘Eventos’

DAE realiza oficina para médiuns dialogadores e psicofônicos

quinta-feira, junho 14th, 2018 47 views

Baixe este post em PDF

O projeto PR-DAE Específico Habilidades está com inscrições abertas para a oficina compartilhada para médiuns dialogadores e psicofônicos.

As inscrições podem ser feitas na sala 200 da Comunhão. A oficina será realizada nos dias 30 de junho e 7 de julho, das 15h às 18h, na sala 203.

 



Fim de semana (16 e 17) com Pinga Luz, Coral e Seminário Ciência e Espiritismo

quinta-feira, junho 14th, 2018 228 views

Baixe este post em PDF

O fim de semana (16 e 17) na Comunhão Espírita tem três apresentações especiais. Anote na agenda:

Sábado, 16 de junho, 17h – Pinga Luz sobre o tema Alegria de viver e depressão na visão espírita, com o palestrante Denizar de Souza. São 30 minutos de exposição, seguidos de perguntas da plateia;

Sábado, 16 de junho, às 19h – Seminário da DED com o grupo de estudos sobre Ciência e Espíritismo com o tema O efeito das reuniões mediúnicas no campo energético dos médiuns.

Domingo, dia 17 de junho, às 17h20 – apresentação do Coral Elos de Luz.

Todos os eventos serão realizados no salão Bezerra de Menezes da Comunhão, com transmissão ao vivo pela Rádio e TV Comunhão e pelo canal da Comunhão no YouTube.



Domingo com Arte apresenta 2ª Mostra da Comunhão de Curtas Espíritas

quinta-feira, junho 14th, 2018 91 views

Baixe este post em PDF



Esde 4 apresenta seminário sobre o livro “Nas telas do infinito”

quinta-feira, junho 14th, 2018 13 views

Baixe este post em PDF

A noite de terça-feira (12) foi especial no auditório Bezerra de Menezes. Os alunos do Estudo Sistematizado da Doutrina Espírita (Esde) 4 narraram de forma envolvente e artística o livro “Nas telas do infinito”, de Yvonne do Amaral Pereira. O seminário contou a história de uma família baseada nas leis de causa efeito.

Preocupado com problemas financeiros da família e da empresa, o pai tenta convencer os filhos de quais escolhas seriam melhor para eles. A mãe procura remediar e busca o melhor para a família, até que recebe conselhos da senhora que trabalha na casa, Gioconda.

O filho, Guto, gosta de artes. A filha, Bete, gostaria de ajudar o pai na empresa. No entanto, ele não aceita e convence os filhos de que é melhor Guto cuidar da empresa e Bete casar-se. Gioconda aconselha então que busquem ajuda com a Dra Yvonne.

A família é assistida pela médium Yvonne, que orienta e conforta os corações aflitos. Ela auxilia o jovem Guto no entendimento da mediunidade e o apresenta a psicopictografia, a pintura mediúnica. Já à bela Bete, a médium mostra que é possível viver um casamento feliz e harmonioso.

Após a ajuda de Dra Yvonne, a família encontra a benevolência e harmonia no lar, reconstruindo e aperfeiçoando padrões morais, além de entender as ligações espirituais que os une. A história ressalta que o amor e a bondade são qualidades indispensáveis aos viajantes em busca de paz para o processo de reforma moral.

O livro “Nas telas do infinito” está disponível na livraria da Comunhão.

Por Sylvia Dimitri.

Assista à peça no link abaixo:



AME debate eutanásia e suicídio assistido nesta quarta (13)

terça-feira, junho 12th, 2018 144 views

Baixe este post em PDF

Terminalidade e as reflexões sobre o tema (eutanásia, ortonásia, distanásia e suicídio assistido) é a palestra que a Associação Médico-Espírita do DF (AME) realiza dentro do projeto Conexão Corpo, Mente e Espírito sob a Visão Médico-Espírita.

O evento acontece nesta quarta-feira, dia 13 de junho, às 20h, na sala 203 da Comunhão Espírita de Brasília, na 603 Sul. A entrada é franca.

A palestra não será  transmitida ao vivo pela Rádio e TV Comunhão.



Construir a felicidade requer tolerância e paciência

segunda-feira, junho 11th, 2018 59 views

Baixe este post em PDF

Palestra faz parte de projeto mensal da Comunhão

Entra na segunda fase o projeto “Deixar de sofrer: cultivando relacionamentos harmoniosos”, da Comunhão Espírita de Brasília. O tema, conduzido pela psicóloga e atendente fraterna Neuza Zapponi, acontece no segundo sábado de cada mês,  às 19h30.

Neste sábado, 9 de junho, a oradora falou das amarras que nos ligam ao passado e das crenças,  cultivadas desde criança, repassadas pelas pessoas com as quais crescemos. Como exemplo, citou o elefante de circo, um animal de grande porte, mas que, para ser domado, tem as patas amarradas desde pequeno com cordas fortes. Quando crescem, os domadores usam apenas fios de náilon e eles não se soltam mais, pois cresceram habituados às amarras.

“Assim acontece com algumas pessoas”, comparou a palestrante, afirmando que nós não somos preparados para a felicidade. “Ficamos presos às cordas mentais, às crenças negativas disseminadas no decorrer da nossa vida. Quem foi criado com rigidez tende a acreditar que a vida é dura, é difícil. Já aqueles criados de forma mais leve, preparados para serem felizes, podem querer, no futuro, ver tudo acontecer ao seu modo. E assim, vão de um extremo a outro”, afirmou a palestrante.

Para chegar ao tópico dos relacionamentos, Neuza falou sobre uma pesquisa de desenvolvimento humano realizada na Universidade de Harvard (EUA), onde um grupo de pessoas foi acompanhado durante 80 anos. O estudo queria resultados sobre o que eles achavam que traria felicidade. Quando jovens, responderam que ser feliz era ter dinheiro. Outros responderam que era ter dinheiro e fama, glória. Muitos anos depois, já aos 75 anos, a resposta foi completamente diferente: a felicidade estaria nos relacionamentos em geral – conjugal, com amigos e familiares.

Ao final da palestra, a psicóloga deu três dicas para se obter a felicidade. A primeira é libertar-se do passado. “Até mesmo o passado positivo, para não ficar preso àquele tempo”, ressaltou. A segunda, é encarar algo que não deu certo em nossa vida como uma alerta para mudarmos as ações, escolhermos outro caminho, recorrermos a outras alternativas. A terceira é assumir a responsabilidade dos próprios atos. “Nunca terceirizá-los”,  recomendou Neuza.

Ela sugeriu, ainda, duas palavras para se criar uma nova construção: tolerância e paciência. Deixarmos de ser exigentes conosco e com o próximo, sem nos torturarmos. A palestrante relembra que a vida é uma trajetória. “Estamos a caminho e vamos fazer a nossa obra-prima da construção interior para uma vida mais feliz, oom tolerância e paciência”, disse finalizando.

Por Diva Ferreira.

Assista à palestra completa: