Notícias sobre: ‘Eventos’

Conheça sobre o 2º chackra – conflito consciencial na palestra da AME desta quarta (23)

domingo, maio 20th, 2018 304 views

Baixe este post em PDF

A Associação Médico-Espírita do DF (AME) realiza na próxima quarta-feira, dia 23 de maio, às 20h, na sala 203 da Comunhão Espírita, mais uma palestra dentro do Projeto Os Passos Terapêuticos com Jesus. O tema será 2º chackra (centro de força) – Eu SINTO Conflito Consciencial.

As palestras da AME-DF não são transmitidas pela TV Comunhão. Portanto, agende sua vinda à Comunhão. A palestra tem entrada franca.

Acompanhe o calendário do projeto.



Jack Darsa faz palestra sobre aborto no Instituto Vida, neste sábado (19)

sexta-feira, maio 18th, 2018 48 views

Baixe este post em PDF



Acompanhe a programação do fim de semana da Comunhão

quinta-feira, maio 17th, 2018 273 views

Baixe este post em PDF

A Comunhão Espírita de Brasília apresenta neste sábado (19) o Pinga-Luz com o orador Denizard de Souza. O tema será Cérebro, Meditação e Transformação Espiritual. São 30 minutos de palestra, seguidos de perguntas do público.

Em seguida, uma apresentação musical e o Fala Mocidade, com início às 19h, cujo tema da noite é Mediunidade, será que é coisa da minha cabeça? O Fala Mocidade é um programa de perguntas e respostas dirigido especialmente ao público jovem, mas aberto a todos os interessados. O convidado desta edição é Gustavo Baptista.

No domingo (20), tem apresentação do Coral Elos de Luz, às 17h20, precedendo a palestra da noite com o orador Sérgio Castro, sobre o tema Prova da imortalidade que Jesus deu a seus discípulos.

A Comunhão transmite todos esses eventos ao vivo, pela Rádio e TV Comunhão, e pelo canal da Comunhão no YouTube.



Fala Mocidade debate Mediunidade, será que é coisa da minha cabeça?

quinta-feira, maio 17th, 2018 240 views

Baixe este post em PDF

O Fala Mocidade vai falar sobre mediunidade no próximo sábado, dia 19 de maio, às 19h, na Comunhão Espírita de Brasília. “Mediunidade, será que é coisa da minha cabeça? é o tema desse programa conduzido pela Mocidade Espírita da Comunhão.

As dúvidas sobre tema tão controverso e fundamental na Doutrina Espírita serão respondidas pelo convidado Gustavo Baptista.

O Fala Mocidade é dirigido não apenas aos jovens mas está aberto à participação do púbico em geral.

O evento será transmitido ao vivo pela Rádio e TV Comunhão.

 



Neuza Zapponi explica como as posturas da vida influenciam nossa felicidade

terça-feira, maio 15th, 2018 194 views

Baixe este post em PDF

São três os tipos de postura que podemos ter frente à vida: passiva, agressiva e assertiva. Como cada postura – ou energia que irradiamos através de emoções, ações e pensamentos – influencia nossos relacionamentos e situações durante a vida foi o tema da palestra da psicóloga e especialista em atendimento fraterno Neuza Zapponi no Projeto Deixar de Sofrer – Cultivando Relacionamentos Harmoniosos, realizada no sábado, dia 12 de maio, na Comunhão Espírita de Brasília.

Segundo a palestrante, todos temos uma postura dominante na vida, mas o objetivo deve ser o equilíbrio de uma postura assertiva, que significa ser capaz de expor, com serenidade, os limites em um relacionamento. “É preciso tolerância com as imperfeições do mundo, saber que não existe relacionamento perfeito”, disse.

Neuza Zapponi expôs como funcionam as posturas passiva e agressiva. A passividade, que é a postura do acolhimento e da receptividade, quando de forma exagerada,  faz com que a pessoa passe a vida evitando tomar decisões e responsabilidades. “A pessoa não age, é sonhadora, deixas as coisas acontecerem”, ilustrou. A passividade, de acordo com a psicóloga, traz muita insatisfação na vida, pois a pessoa tem uma postura de que o mundo precisa se movimentar para satisfazê-la. “São aquelas pessoas cheias de direitos, que querem que o outro adivinhe seus desejos e pensamentos”, afirmou.

Já a postura agressiva é a da ação, porém, em sua forma negativa, leva a pessoa a encarar os semelhantes como adversários. “Essa pessoa coloca uma enorme tensão nos relacionamentos, pois quer controlar tudo, está sempre em guarda”, explicou. Neuza Zapponi salientou que os pais precisam estar atentos  ao que hoje se chama Síndrome do Imperador, ou seja, crianças mimadas e mandonas que se tornam adolescentes e adultos agressivos e tiranos. “O direito de ser feliz não pode invadir o direito do outro”, sublinhou.

Já no equilíbrio da postura assertiva, a pessoa tem clareza de seus limites morais cristãos, diferenciando-os de preconceitos e discriminações. “Quando nos tornamos assertivos, sabemos equilibrar entre acolher e dizer não. O assertivo é capaz claramente de  agir no objeto de sua insatisfação, sem culpar o outro ou inferiorizá-lo”, garantiu.

Texto: Ana Cristina Sampaio Alves

Assista à palestra completa:



Com o tema Enganadores, Mayse Braga faz alerta para o uso da mediunidade

terça-feira, maio 15th, 2018 69 views

Baixe este post em PDF

“Enganadores” foi o tema da palestra de Mayse Braga para o mês de maio. O encontro ocorreu no dia (5) e contou com o auditório lotado. Ela iniciou lembrando que nos tempos de Jesus havia muitos enganadores, tanto aqueles que se diziam ser o Messias, quanto aqueles que colocavam em cheque os milagres de Jesus.

Mayse alertou para o uso da mediunidade, que muitas vezes serve de palco para enganadores. “Devemos nos atentar que cada um se dispõe a uma tarefa. A mediunidade é uma ponte que é ativada através do estudo e de um coração generoso. É um trabalho de compromisso”, explicou. Segundo ela, se o trabalho for pautado na leviandade retornará àqueles que o promovem, por meio da lei de ação e reação.

A palestrante ressaltou a importância de confiar na intuição para não dar espaço aos enganadores da mente. “Não encontraremos toda a verdade de uma vez. Mas de verdade em verdade, chegaremos perto da vida espiritual”, disse.

Sobre o trabalho dos médiuns, Mayse explicou também que o médium positivo é aquele que se transforma e que não se pode usar missão para enganar. “Quando não nos enganamos, fazemos a revisão da consciência. O que eu fiz que Jesus não faria?”, enfatizou.

Ela finalizou deixando uma reflexão: o engano pode ser conveniente e confortável; e o maior deles é acreditar que não podemos espalhar amor se não formos amados.

Por Sylvia Dimittria