Notícias sobre: ‘Matérias’

Bazar da Comunhão necessita de doações

segunda-feira, agosto 14th, 2017 912 views

Baixe este post em PDF

A Comunhão Espírita de Brasília pede aos frequentadores da instituição e ao público em geral doações para seu Bazar, que é responsável por grande parte dos recursos financeiros utilizados não só na manutenção da casa espírita, como também de obras sociais.

O Bazar, situado no térreo, ao lado das salas André Luis e Chico Xavier, recebe todo tipo de material em bom estado de conservação, como roupas, calçados, material de decoração, louça, eletrodomésticos, produtos eletrônicos, bijouterias, etc.



Programa Conversando com Mayse: A mão que afaga também apedreja

segunda-feira, agosto 14th, 2017 313 views

Baixe este post em PDF

O programa Conversando com Mayse traz nesta segunda (14) o tema A MÃO QUE AFAGA TAMBÉM APEDREJA!

A oradora espírita Mayse Braga explica a capacidade que todos temos de fazer o bem e, por vezes, fazer o mal, mesmo sem querer.

Conversando com Mayse tem a participação do palestrante Jack Darsa e mediação da jornalista Waleska Maux, produzido e veiculado pela Rádio Comunhão de Brasília.
O bate papo vai ao ar às 21h15h no site www.radiocomunhao.com.br, Reprises às segundas e quartas, no mesmo horário.



UnB lança pós-graduação em literatura espírita

sexta-feira, agosto 4th, 2017 2.768 views

Baixe este post em PDF

O Programa de Pós-Graduação em Literatura da Universidade de Brasília (UnB), em iniciativa inédita, abre duas vagas para o desenvolvimento de pesquisas sobre a Literatura Espírita. As vagas são para o curso de Mestrado, com início em 2018.
A iniciativa é da Professora Dra. Ana Claudia da Silva, que reconhece a importância de se desenvolver estudos sistemáticos sobre esse ramo da literatura brasileira que se desenvolveu à margem dos estudos acadêmicos e, não obstante, tem formado leitores no Brasil há décadas.
 A ação obteve o apoio de outros docentes, como o Professor Dr. William Bizerra, que desenvolve pesquisa sobre a relação entre literatura e sagrado. Segundo ele, os estudos sobre a literatura espírita são raros não apenas devido ao preconceito dos pesquisadores com literaturas de caráter religioso, em que as funções estética e educativa se fundem para a criação de um objeto literário singular, mas também pelas particularidades do mecanismo de composição das obras de autoria mediúnica, ainda pouco descritas no âmbito dos estudos literários.
É a esta tarefa, portanto, que convidamos os pesquisadores: consolidar um campo de pesquisa acadêmica que acrescente aos estudos de teoria e crítica literária tradicionais uma base conceitual que favoreça o estudo sistemático, acadêmico, da literatura espírita.
Os interessados devem apresentar um projeto de pesquisa que vise ao estudo da história, dos fundamentos ou de autores representativos da literatura espírita brasileira. Para a candidatura é preciso que o pesquisador tenha graduação em Letras ou em áreas afins (humanidades em geral).
Fonte: FEB



O segredo para ser feliz é alimentar a alma. Como fazer isso?

sexta-feira, julho 21st, 2017 70 views

Baixe este post em PDF

 



Como se define um espírita? Jack Darsa responde

sexta-feira, julho 21st, 2017 79 views

Baixe este post em PDF



Espaço de convivência que gera renda e acolhimento 

segunda-feira, julho 17th, 2017 439 views

Baixe este post em PDF
Não só o alimento espiritual ou material promove a Comunhão quando assiste aquelas famílias em situação de vulnerabilidade social e econômica. Um leque de cursos busca preparar para gerar renda. Uma das oportunidades oferecidas pela Diretoria de Promoção Social (DPS) são os cursos de Culinária e Artesanato.
A Comunhão fornece passagem, lanche e material que será utilizado durante o curso. As turmas iniciam em março e agosto de cada ano. Ao fim do semestre é realizada a Feria de Artesanato e Guloseimas das Famílias Assistidas,  com produtos que as alunas aprenderam a fazer durante os cursos. O que for arrecado é distribuído para cada uma.
“Por mais que sejam poucas alunas, se conseguirmos fazer uma só feliz já atingimos o objetivo”, diz a pedagoga e voluntária como coordenadora do Curso de Artesanato, Luciany Petrosino.
D. Irani Rocha, moradora de Santa Maria, aplica em casa para treinar o que aprende no Curso de Culinária e já recebe encomendas de doces. “Para mim está sendo ótimo e fui muito bem acolhida quando cheguei aqui. A gente vem aprendendo coisas não só da parte culinária, mas também da vivência com outras pessoas. A gente aprende a conversar e tem até psicólogo para falar sobre o nosso problema. Já fiz palha italiana, pão de mel e empadão”, afirma Irany.
Já dona Vera Rodrigues, de Santa Maria, após começar a ser assistida pelos voluntários da DPS começou fazendo decoração de sandálias, mas resolveu mudar para o crochê. Ela produz laços para cabelo, panos de prato e está fazendo um tapete por encomenda, orientada pela professora de Tricô e Crochê Francisca Leocadio.
Luciany Petrosino diz que aprende mais do que doa. “Nós, que temos uma condição material melhor que elas, somos muito egoístas e muitas vezes não queremos dividir. Aqui é assim: quando temos um pacote de arroz para distribuir, uma diz que precisa, mas podemos doar para outra que estiver precisando mais. Elas dividem o pouco que têm”, disse Luciany.
Para dona Cláudia Freitas, moradora do Recanto das Emas, é muito bom fazer o curso porque “espairece a mente”.  “Às vezes chego triste, mas volto para casa animada. Temos muito diálogo e encontramos amigas verdadeiras”, reflete a aluna que faz pizza para vender.
Dayse Guimarães, psicóloga e voluntária como professora de Culinária, também concorda que o espaço é de troca. “A gente pensa que está doando, mas na verdade estamos recebendo muito. Não é só passar as técnicas de culinária, temos momento de troca, de leitura do Evangelho e de levantar temas para a reflexão. Isso é um complemento valioso”, dize Dayse, que também foi dona de restaurante.
Todas chegaram ao curso por meio das indicações dos voluntários da DPS que assistem as famílias mensalmente. As aulas de culinária, tricô e crochê reiniciam dia 1º de agosto e acontecem todas as terças-feiras, das 9 às 12h.
Equipe de Comunicação da DPS