Notícias sobre: ‘Geral’

1º de Maio: aniversário de nascimento de Eurípedes Barsanulfo

terça-feira, maio 1st, 2018 235 views

Baixe este post em PDF

Eurípedes Barsanulfo nasceu em 1º de maio de 1880, na pequena cidade de Sacramento, Estado de Minas Gerais. E logo cedo manifestou-se nele profunda inteligência e senso de responsabilidade, acervo conquistado naturalmente nas experiências de vidas pretéritas.

Era ainda bem moço, porém muito estudioso e com tendências para o ensino, por isso foi incumbido pelo seu mestre-escola de ensinar aos próprios companheiros de aula. Respeitável representante político de sua comunidade, tornou-se secretário da Irmandade de São Vicente de Paula, tendo participado ativamente da fundação do jornal “Gazeta de Sacramento” e do “Liceu Sacramentano”. Logo viu-se guindado à posição natural de líder, por sua segura orientação quanto aos verdadeiros valores da vida.

Por meio de informações prestadas por um dos seus tios, tomou conhecimento da existência dos fenômenos espíritas e das obras da Codificação Kardequiana. Diante dos fatos voltou totalmente suas atividades para a nova Doutrina, pesquisando por todos os meios e maneiras, até desfazer totalmente suas dúvidas.

Repercutiu estrondosamente tal acontecimento entre os habitantes da cidade e entre membros de sua própria família. Em poucos dias começou a sofrer as conseqüências de sua atitude incompreendida.

Persistiu lecionando e entre as matérias incluiu o ensino do Espiritismo, provocando reação em muitas pessoas da cidade, sendo procurado pelos pais dos alunos, que chegaram a oferecer-lhe dinheiro para que voltasse atrás quanto à nova matéria e, ante sua recusa, os alunos foram retirados um a um.

Sob pressões de toda ordem e impiedosas perseguições, Eurípedes sofreu forte traumatismo, retirando-se para tratamento e recuperação em uma cidade vizinha, época em que nele desabrocharam várias faculdades mediúnicas, em especial a de cura, despertando-o para a vida missionária. Um dos primeiros casos de cura ocorreu justamente com sua própria mãe que, restabelecida, se tornou valiosa assessora em seus trabalhos.

Auxiliava a todos, sem distinção de classe, credo ou cor e, onde se fizesse necessária a sua presença, lá estava ele, houvesse ou não condições materiais.

Jamais esmorecia e, humildemente, seguia seu caminho cheio de percalços, porém animado do mais vivo idealismo. Logo sentiu a necessidade de divulgar o Espiritismo, aumentando o número dos seus seguidores. Para isso fundou o “Grupo Espírita Esperança e Caridade”, no ano de 1905, passando a desenvolver trabalhos interessantes, tanto no campo doutrinário, como nas atividades de assistência social.

Em 1º de abril de 1907, fundou o Colégio Allan Kardec, que se tornou verdadeiro marco no campo do ensino. Esse instituto de ensino passou a ser conhecido em todo o Brasil, tendo funcionado ininterruptamente desde a sua inauguração, com a média de 100 a 200 alunos, até o dia 18 de outubro do mesmo ano, quando foi obrigado a cerrar suas portas por algum tempo, devido à grande epidemia de gripe espanhola que assolou nosso país.

Barsanulfo seguiu com dedicação as máximas de Jesus Cristo até o último instante de sua vida terrena, por ocasião da pavorosa epidemia de gripe que assolou o mundo em 1918. Havia chegado ao término de sua missão terrena. Esgotado pelo esforço despendido, desencarnou no dia 1º de novembro de 1918, às 18 horas, rodeado de parentes, amigos e discípulos.



Estante Espírita – Violetinhas na Janela

quinta-feira, abril 19th, 2018 118 views

Baixe este post em PDF

Violetinhas na Janela é uma adaptação do texto do livro Violetas na Janela, psicografado por Vera Lúcia M. Carvalho, que retratou a experiência do espírito de Patrícia, uma adolescente que desencarna aos 19 anos e conta o que sentiu ao retornar ao plano espiritual. Como foi a adaptação para realizar trabalhos na colônia São Sebastião, o que comer e vestir foram algumas das muitas engraçadas indagações que seu espírito entusiasmado buscou.

Para a alegria da garotada, o autor Luis Hu Rivas, com seu talento criativo de desenhista, trouxe de volta essa cativante história, agora voltada para o público infanto-juvenil, com explicações simples e ilustrações coloridas, interessantes para falar sobre o fenômeno natural da desencarnação.

A personagem principal da história é Patricinha, menina linda que descobre que nem sempre precisamos ter medo do que não entendemos. Com muita surpresa, ela revela seu despertar num mundo cheio de cor, bom humor, e como tudo pode ser agradável e acolhedor no mundo dos espíritos quando observamos os exemplos de Jesus.

A obra é uma excelente opção de literatura infantil e recurso de ensino auxiliar para pais, evangelizadores e contadores de histórias que buscam alternativas para abordar o tema  com sintonia e cumplicidade.

VIOLETINHAS NA JANELA, pelo espírito Patrícia, baseado na psicografia de Vera Lúcia Marinzeck de Carvalho,  ilustrações e projeto gráfico de Luís Hu Rivas, 96 páginas, 1a. edição, Petit Editora, São Paulo – SP, 2016, na Livraria Mário Carvalho da Comunhão – R$ 39,90



Domingo (15) tem Feira de Troca do Livro Espírita no Parque da Cidade

terça-feira, abril 10th, 2018 98 views

Baixe este post em PDF

Que tal trocar seus livros espíritas já lidos por outros? Então não perca esta feira de troca no Parque da Cidade.



Conheça os novos diretores da Comunhão Espírita

sábado, abril 7th, 2018 108 views

Baixe este post em PDF

O Conselho Diretor da Comunhão Espírita de Brasília aprovou a nova diretoria para a gestão 2018-2020. Conheça os novos diretores da nossa casa espírita.



Conversando com Mayse: Sem o passo inicial ninguém vence as distâncias

quinta-feira, abril 5th, 2018 53 views

Baixe este post em PDF



Bullying foi tema de encontro histórico da Mocidade Espírita

domingo, março 18th, 2018 515 views

Baixe este post em PDF

A noite do último sábado (17), na Comunhão Espírita de Brasília, foi palco de um encontro emocionante e especial entre o grupo de Mocidade Espíritas dos anos 70 – que iniciou à época com apenas quatro integrantes-, e o atual grupo de jovens que conta com a participação de mais de 50 pessoas. Na ocasião, debateram um tema muito importante e que nunca deixou de ser combatido, mas que atualmente virou questão de saúde pública: o bullying.

O encontro ocorreu em mais um programa do Fala Mocidade. Para tratar do assunto, estavam a médium e oradora espírita Mayse Braga e mais dois colegas, Marcelo e Sérgio, fundadores do grupo, contaram como o problema era enfrentado no passado. Também participaram, a coordenadora do programa Fala Mocidade, Carolina Braga, com os jovens Gabriel e Mariza, que deram exemplos pessoais de como é enfrentar o bullying atualmente.

Segundo Mayse Braga, o bullying está presente mais do que nunca na sociedade que busca a perfeição. “Se você foge desse padrão, acaba por aceitar as ofensas, se esconde, sofre. Isso  faz com que a sua autoestima fique lá em baixo e acredite que eles têm razão em desprezar você. Por isso, é preciso que os familiares falem e orientem esses jovens que estão sofrendo para que saibam que é o outro que está errado e não ele”, explicou.

Além disso, explica que o problema começa dentro de casa, quando os pais criam os filhos em um ambiente preconceituoso e intolerante. “A alma precisa ser educada e corrigida, e os pais, como tutores, têm sérias responsabilidades quanto a isso”, disse Mayse para uma plateia lotada de jovens e adultos.

A palestrante também reforçou que a responsabilidade para combater o problema é de todos. “ Temos que ficar de olho no que está acontecendo, pois as consequências são terríveis. Acaba que quem sofre, começa a também praticar o bullying como forma de defesa e isso não deve acontecer”, falou.

Durante a palestra foi debatido sobre como o  bullying tinha um formato de brincadeira, mas que hoje em dia é muito mais cruel. Por isso, para Mayse, os jovens precisam ter segurança e autoconfiança para não ligar para o problema.

Como forma de precaução, o grupo apontou que é necessário ter em mente que todas as pessoas são extremamente sensíveis.  “Não vamos sensibilizar os outros pra nos sentir superiores.  Existem  outras maneiras de mostrar a nós mesmos  as  nossas capacidades   do que simplesmente ferir  o outro, e o bullying nada mais é do que ferir”, reforçou Mayse.

Se engana, porém, quem pensa que o problema acontece somente entre  crianças e jovens. A conclusão é que o bullying existe em todas as idades e as pessoas, até por defesa e inveja, são agressivas com o outro,  porque o admiram  e não sabem colocar essa admiração e, então, resolvem agredir o próximo.

O conselho final da médium é que o ser humano pode ser tudo o que quiser e que não deve nunca se submeter a um falso modelo. “Desejo que as novas gerações não precisem discutir mais o bullying,  porque ele simplesmente não existirá mais”, finalizou.

O bullying

Para quem não sabe o bullying é um termo utilizado para descrever atos de violência física ou psicológica, intencionais e repetidos, praticados por um indivíduo ou grupo de indivíduos causando dor e angústia, sendo executadas dentro de uma relação desigual de poder.  De acordo com pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a escola é o principal local onde acontece esse tipo de pratica. No Brasil, uma a cada dez crianças são vítimas frequentes de bullying.

Para quem não assistiu, ainda dá tempo. O evento foi transmitido ao vivo pelo YouTube e pela Rádio e TV Comunhão na internet. Acesse e fique por dentro as discussão.

 

Por Isabel Carvalho